top of page

Entenda as novidades sobre a lei antidesmatamento da União Europeia



No mês de abril, o Parlamento Europeu aprovou formalmente a lei antidesmatamento que proíbe importações de produtos provenientes da degradação florestal, a validação não é uma surpresa, visto que o assunto vem sendo tratado pela União Europeia há anos. O texto inicial foi acordado em dezembro do ano passado e desde então houve somente o acréscimo de alguns produtos a serem considerados. Apesar de ainda estar sob trâmite legislativo, a implementação desta medida preocupa exportadores de commodities sobre a relação comercial com a Europa. Confira abaixo os próximos passos para a implementação e a atual repercussão desta lei:

O que é a lei?

A lei antidesmatamento consiste na proibição de produtos provenientes da degradação de florestas tropicais no âmbito da União Europeia. Deve-se ressaltar que a legislação não faz referência a países produtores, visto que o intuito é promover cadeias produtivas globais mais sustentáveis e não de bloquear o acesso a mercados. Os produtos abarcados na lei apresentam alto risco de desmatamento, sendo eles: carne bovina, cacau, café, madeira, borracha, óleo de palma, soja e dendê. Além disso, também serão considerados seus produtos derivados, como chocolate, couro e carvão vegetal. A empresa europeia que comprar produtos que não estão de acordo com a nova legislação serão submetidos a uma multa de 4% do seu faturamento anual.


Consequências para o mercado

Com a nova legislação, os produtos comercializados com a União Europeia que constam na lista de commodities deverão passar por uma auditoria. Dessa forma, será possível exportar para Estados europeus apenas com a declaração de que o produto não é proveniente de áreas de desmatamento a contar de 31 de dezembro de 2020. A mercadoria também deve estar de acordo com as normas do país de origem, os direitos humanos e respeito aos povos indígenas e às comunidades locais.


Para transparência sobre o processo e vistoria das entidades da União Europeia, as empresas deverão exigir as coordenadas de geolocalização da cultura agropecuária. Sendo assim, a área de produção poderá ser submetida ao monitoramento via satélite, e, caso necessário, submetida a testes de DNA para comprovar a origem da mercadoria. Essa avaliação será dada conforme o nível de risco do país.


Próximos passos


Para a entrada em vigor, o texto ainda precisa ser aprovado formalmente pelo Conselho da União Europeia e, posteriormente, publicado no Diário Oficial. As empresas de grande porte terão 18 meses para adaptar suas produções conforme a norma prevista, logo, a previsão é de que até o final de 2024 a legislação passe a ser cumprida. ONGs como Greenpeace possuem expectativas de que haja a implementação de mais produtos e ecossistemas após a ratificação da lei.


A norma contra o desmatamento atribui aos Estados-membros a responsabilidade quanto à fiscalização e à sanção. Nesse sentido, a taxa de sucesso da legislação está associada à implementação dos países, tanto em relação à delegação de autoridades competentes, quanto na aplicação de encargos aos fornecedores infratores. Portanto, haverá variabilidade dentre as nações europeias sobre a aplicação da lei.

Posteriormente, uma segunda lista será elaborada, referente aos países exportadores. A proposta é de que sejam elencados os Estados que comercializam com a UE conforme o nível de desmatamento em suas produções. Dessa forma, nações que possuem maior grau de degradação florestal estarão condicionadas a índices maiores de fiscalização de suas exportações. Países avaliados como de alto risco serão submetidos a inspeções mais detalhadas em 9% de seus produtos e empresas, médio risco será de 4% e, por fim, baixo risco passará por verificações de controle mais simplificadas – correspondente a 1%.

Incentivos

Além da própria legislação, a União Europeia pretende adotar parcerias bilaterais com os países exportadores e aumentar sua participação em fóruns multilaterais com o intuito de promover incentivos de produção sustentável e métodos eficazes para a fiscalização nacional.

Os incentivos têm o propósito de auxiliar no cumprimento da lei por parte dos Estados produtores e estimular a preservação da biodiversidade e a redução dos gases de efeito estufa. Outro ponto de preocupação por parte da União Europeia está direcionado à manutenção dos ecossistemas e a sua relação com os povos tradicionais para a subsistência. Pode-se observar a tentativa deste tipo de cooperação socioambiental no acordo que está sendo deliberado entre UE e Mercosul, o qual se compromete à implementação efetiva do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas.

Reação do mercado brasileiro

Logo após a aprovação do Parlamento Europeu, o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) ressaltou sobre a divergência entre a nova lei antidesmatamento da UE e a legislação brasileira sobre o mesmo assunto, o que possivelmente pode vir a se tornar um conflito. Nesse contexto, o Código Florestal Brasileiro permite que algumas regiões utilizem até 80% da propriedade para atividade de produção, sendo necessária a preservação da outra parcela. Por outro lado, na região da amazônica somente 20% da propriedade pode ser utilizada para fins agropecuários. Todavia, a União Europeia propõe na lei antidesmatamento a proibição de qualquer tipo de degradação florestal, ilegal ou legalmente autorizado.

Apesar da falta de consulta aos países exportadores, o setor de carnes e de café não devem sofrer muita influência com a decisão. De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), a produção bovina é monitorada desde 2009, sendo a mercadoria destinada à Europa totalmente rastreável. Para o especialista, o maior esforço de adaptação se concentrará no monitoramento dos fornecedores indiretos – responsáveis pelo abastecimento de fazendas que comercializam com os frigoríficos. Por sua vez, o setor cafeeiro já está preparado para a medida da União Europeia devido aos esforços constantes para a rastreabilidade e sustentabilidade da produção, conforme o discurso do diretor-geral do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).


Como a Domani pode te ajudar?


A Domani Consultoria Internacional é uma empresa especializada em comércio exterior que oferece suporte completo em cada etapa da internacionalização de produtos. Contamos com uma equipe exclusiva para desenvolver soluções personalizadas de acordo com as necessidades de cada cliente, prezando sempre pela autonomia e independência. Com mais de 27 anos de experiência no setor, nós capacitamos empresas que desejam ir além das fronteiras nacionais com o objetivo de ser o combustível para a formação do amanhã! Nossos serviços consistem em Estudo de Mercado, Promoção Comercial, Planejamento Burocrático, Planejamento Logístico e Planejamento Financeiro.


Faça um diagnóstico gratuito e venha internacionalizar o seu negócio conosco!


 

Nos siga nas redes sociais!


LinkedIn: Domani Consultoria Internacional;

Instagram: @domaniconsultoria;

Facebook: Domani Consultoria Internacional;



REFERÊNCIAS


EUROPEAN COMMISSION. Green Deal: EU agrees law to fight global deforestation and forest degradation driven by EU production and consumption. Disponível em: https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/IP_22_7444. Acesso em: 20/04/2023.


EUROPEAN COMMISSION. Questions and Answers on new rules for deforestation-free products. Disponível em: https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/qanda_21_5919. Acesso em: 20/04/2023.

EXAME. Parlamento europeu aprova lei que bane produtos originários de desmatamento. Disponível em: https://exame.com/mundo/parlamento-europeu-aprova-lei-que-bane-produtos-originarios-de-desmatamento/. Acesso em: 20/04/2023.


FOLHA DE SÃO PAULO. Europa aprova lei que proíbe venda de produtos ligados a desmatamento. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2023/04/europa-aprova-lei-que-proibe-importacao-de-produtos-ligados-a-desmatamento.shtml. Acesso em: 20/04/2023.


FORBES. União Europeia aprova lei de desmatamento. Disponível em: https://forbes.com.br/forbesagro/2022/12/helen-jacintho-uniao-europeia-aprova-lei-do-desmatamento/. Acesso em: 20/04/2023.


HUMAN RIGHTS WATCH. EU: Major Step For ‘Deforestation-Free’ Trade. Disponível em: https://www.hrw.org/news/2023/04/19/eu-major-step-deforestation-free-trade. Acesso em: 20/04/2023.


NOVA CANA. Agronegócio brasileiro reage à lei da UE sobre desmatamento e contesta termos. Disponível em: https://www.novacana.com/noticias/agronegocio-brasileiro-reage-lei-uniao-europeia-desmatamento-contesta-termos-200423 . Acesso em: 20/04/2023.

UOL. Parlamento Europeu aprova lei que proíbe importação de produtos de áreas desmatadas. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2023/04/19/parlamento-europeu-aprova-lei-que-proibe-importacao-de-produtos-de-areas-desmatadas.htm. Acesso em: 20/04/2023.

60 visualizações0 comentário
bottom of page