• Cadijato B. Djaló

Relações Comerciais entre Brasil e Argentina


Histórico


O Brasil é considerado o principal parceiro comercial da Argentina, e o país argentino vem ocupando a posição de terceiro maior parceiro comercial do Brasil. As relações comerciais entre ambos países foi oficializada em abril de 1997, essa relação abrange vários setores como economia, educação, cultura, defesa, turismo, ciência e tecnologia, entre outras. Assim, nota-se que apesar da guerra e rivalidade, os países também possuem uma amizade e aliança, fazendo com que essa complexa relação dure por mais de dois séculos. As duas nações representam 63% da área total da América do Sul, 60% de sua população e 61% do PIB.


No ano de 1970, houve uma rivalidade entre Brasil e Argentina nos projetos hidrelétricos da bacia do Paraná, mas em 1980, os dois países assinaram um Acordo de Cooperação para o desenvolvimento e aplicação dos usos pacíficos da energia nuclear, o que levou a criação de Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares.


No entanto, desde 2003 os dois países têm coordenado suas posições nos fóruns multilaterais de confiança mútua. Nota-se a participação conjunta de ambos países na negociação agrícola na reunião da OMC (Organização Mundial de Comércio) em Cancun, no México, com objetivo em comum de criação da Área de Livre Comércio das Américas(ALCA), e também pela alteração do sistema financeiro internacional. Por fim, em 2008, no que tange a área econômica, a Argentina e o Brasil deixaram de usar dólar norte-americano e começaram a usar as suas próprias moedas em todas as transações comerciais bilaterais.


Balança comercial Brasil-Argentina


No ano de 2020, a balança comercial entre os dois países teve um superávit de US $591,6 milhões, logo, o Brasil importou mais da Argentina. Por outro lado, em 2021, até o mês de Novembro, o Brasil determinou um valor de negociações no comércio exterior de US$ milhões 454.996,8. Dessa forma, foi gerado um total de exportações de US $256.028,3 milhões e importações de US $198.968,5 milhões. Ademais, houve um superávit de US$57.059,8 milhões. O produto mais exportado no ano de 2021 foi o Minério de Ferro, enquanto que o produto mais importado foi Adubos ou Fertilizantes Químicos .


Diálogo bilateral


O Conselho Empresarial Brasil-Argentina (Cembrar), é coordenado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Cembrar foi criado em 2016 com intuito de ser um lugar de discussão das características do setor privado na relação comercial entre os dois países. Apesar de COVID-19, segundo o relatório Competitividade Brasil 2019-2020 que foi realizado pela CNI, onde os dois países enfrentaram obstáculos que apresentou falta de concorrência.


Desse modo, o Cembrar pesquisa as prioridades do setor privado, através de diálogo com as empresas, associações setoriais e entidades empresariais brasileiras. Contudo, as informações são colocadas em uma agenda, o documento compartilhado com a contraparte Argentina para avaliarem os possíveis pontos em comum e planejamento de trabalho em conjunto.

No entanto, durante a reunião, foram apresentadas aos membros do Conselho as prioridades para a facilitação do comércio, entre elas, o estabelecimento de um comitê bilateral público-privado que foi assinado pelo Brasil e pela Argentina, em 2020. Portanto, nas prioridades do Mercosul, determinaram a importância de abertura comercial através de via de acordos comerciais, inclusive a relevância da revisão da Tarifa Externa Comum (TEC).


Acordo comercial


Em 3 de outubro de 2019, os representantes permanentes do Brasil e da Argentina, junto com Associação Latino-Americano de Integração (ALADI), assinaram o novo acordo comercial para o setor automotivo em Montevidéu. Os Produtos automotivos são responsáveis pela metade do intercâmbio do comércio de bens entre os dois países. Sendo assim, esse novo tratado tem como o objetivo o livre comércio de bens automóveis para facilitar a adequação do setor automotivo à união aduaneira do Mercosul .


Por conseguinte, as trocas comerciais do setor automotivo entre os dois países são estabelecidas pelo sistema “flex”, sendo este um programa que integra todos os dados e processos de um negócio em um único sistema. Por outro lado, em 2019 o Brasil e a Argentina estabelecem o acordo de livre comércio de veículos, de acordo com o Ministério da Economia e das Relações Exteriores, o objetivo do acordo é promover a segurança e previsibilidade de investimentos.



Como a Domani pode te ajudar?


Tem interesse em realizar uma exportação ou importação de produtos diversificados? A Domani Consultoria Internacional pode te mostrar o caminho para todas as etapas necessárias para o processo de importação ou exportação. As nossas soluções incluem análises dos melhores países para comercialização do produto. Além disso, pesquisamos também sobre selos e certificados, inclusive de feiras e eventos internacionais. Por outro lado, fazemos prospecção de possíveis compradores ou fornecedores incluindo o planejamento de internacionalização. Dessa forma, nós somos capazes de orientá-lo(a) sobre questões burocráticas, financeiras e logísticas para que a sua exportação ou importação seja realizada com total segurança. Quer saber mais sobre o comércio exterior? Peça a sua proposta!




 

Nos siga nas Redes Sociais! LinkedIn: Domani Consultoria Internacional (link); Instagram: @domaniconsultoria (link); Facebook: Domani Consultoria Internacional (link).




Referências


COMEX STAT. Exportações para Argentina. Disponível em: http://comexstat.mdic.gov.br/pt/home. Acesso em 17 de março de 2022.


GOV.BR. Acordo Comercial Brasil-Argentina para o Setor Automotivo. Disponível em. :https://www.gov.br/economia/pt-br/canais_atendimento/imprensa/notas-a-imprensa/2019/10/acordo-comercial-brasil-argentina-para-o-setor-automotivo. Acesso em 18 de março de 2022.


NOTÍCIAS PORTAL DA INDÚSTRIA. Diálogo bilateral. Disponível em:

https://noticias.portaldaindustria.com.br/artigos/mauro-bellini/brasil-e-argentina-prioridades-para-a-agenda-bilateral-e-regional/. Acesso em 18 de março de 2022.


942 visualizações0 comentário